Como utilizar os dispositivos de vibração expiratória?

Os dispositivos de pressão expiratória têm uma grande indicação na geração de fluxo turbulento vibratório para auxiliar o movimento da secreção pela arvore brônquica.

A pressão expiratória oscilatória oferece a combinação de oscilações e uma discreta pressão contra resistência e pode melhorar o transporte da secreção.

As amplitudes de oscilação mais altas aumentam a eficácia da terapia. Porém estes resultados ainda são incertos.
O estudo de Lisa F em 2019, analisou a correlação entre a efetividade da vibração associada a geração de fluxo, o ponto de maior destaque do artigo é que as características de dispositivos de pressão oscilatória não são totalmente esclarecidas, principalmente sobre a eficácia.

O entendimento da correlação entre a capacidade de fluxo e terapia de vibração deve ser avaliada na hora da indicação do dispositivo. No estudo de bancada foi possível variar resistências e fluxos em cada dispositivo testado, entre eles os mais utilizados no Brasil Acapella e shaker (fluter). Como resultado a autora encontrou que o fluxo ou a resistência variados mantinham ou aumentavam a pressão média, pico e amplitude de PEP e frequência de oscilação. A importância clínica das diferenças entre os dispositivos é desconhecida.

O estudo de Santos AP, et al em 2013 não observou diferenças estatisticamente significativas nas amplitudes de pressão média entre os dispositivos Flutter VRP1 e Shaker. No entanto, ambos os dispositivos tinham valores diferentes de Acapella, com seus valores de amplitude de pressão menores que os de Acapella (P = 0,04). Não houve diferenças estatisticamente significativas para os três ângulos ou marcas em relação a todos os fluxos de ar.

Estes dispositivos tem uma função auxiliar muito diferenciada para a utilização nas terapias da fonoaudiologia.

A capacidade de maior vibração em região supra traqueal, permite a mobilização de fluxo e geração de pressão nesta região, desta forma é possível deslocar secreções aderidas em orofaringe e e realizar o clearence faríngeo.

Outra utilização fundamental se da pela capacidade de vibração e estimulo pressórico na prega vocal, o que facilita exercícios de voz e endurance vocal.

Uma avaliação pratica da utilização destes dispositivos e a necessidade de boa capacidade inspiratória para a melhor qualidade e efetividade do fluxo expiratório, desta forma o auxílio inapiratório prévio e capaz de maximizar o tempo expiratório o que ocasiona mais movimento expiratório do fluxo.

Este é um tema bem interessante e com varias publicações, porém ainda não existem artigos que comprovem efetivamente a sua eficiência tanto para a fonoaudiologia quanto para a fisioterapia.

Acompanhe mais sobre este e outros assuntos sobre Fisioterapia Respiratória no Instagram, Facebook, Youtube e grupo do Telegram do Instituto Alessandra Dorça.

Vamos continuar essa conversa?